Responsabilidade Social Saúde

No Jesus de Nazaré, psicólogos oferecem atendimento acessível para pessoas de baixa renda

Por Joyce Batista

 É em uma pequena casa alugada que um grupo de psicólogos começou a concretizar um sonho iniciado na época da faculdade. O Espaço Humanizar, criado há cerca de um ano, oferta consultas psicológicas a um preço abaixo do mercado, para que pessoas de baixa renda também tenham o direito de cuidar da saúde mental, cada vez mais afetada no mundo de hoje.

Sabendo da importância da psicoterapia, Lenimar Ferreira, Dorismar Magalhães, Josias Santos e Jean Roger investiram seu tempo e dinheiro no projeto, com o objetivo de ajudar o próximo. O projeto conta com serviços nas modalidades individual, grupo ou casal para qualquer faixa etária, com uma mensalidade de R$ 60, que custeia o aluguel do espaço. A primeira consulta, chamada de acolhimento, é totalmente gratuita.

“O valor social que nós aplicamos é cerca de R$ 100 mais barato que a média estabelecida na tabela do conselho de psicologia, justamente para atender essa demanda da população, que nós identificamos por experiência própria há algum tempo atrás. Nós também flexibilizamos o pagamento de acordo com as condições financeiras do paciente”, diz a psicóloga Lenimar, de 42 anos.

Atualmente, são atendidas cerca de 30 pessoas por mês, pois a sede do projeto dispõe de apenas duas salas para consultas e apenas seis profissionais voluntários. A iniciativa também leva seus serviços de forma gratuita a lugares públicos, escolas, igrejas e eventos.

Expansão

A ideia é que o número de atendimentos seja expandido futuramente. Por isso, profissionais da área e pessoas que queiram de alguma forma contribuir com a iniciativa são bem vindos. “Estamos de portas abertas para ajudar e receber ajuda”, disse a psicóloga.

Para agendar uma consulta ou solicitar os serviços, basta entrar em contato com o Espaço Humanizar através dos telefones (96) 98411-0358/98136-0349 ou se dirigir até a sede do projeto, na Av. Vereador José Tupinambá, nº 1462, bairro Jesus de Nazaré. Segundo o grupo, independentemente do tipo de ajuda, o importante é valorizar e fomentar o cuidado com a saúde mental.

“Passamos pela campanha Setembro Amarelo, mas é preciso lembrar que a saúde mental precisa de cuidados durante todo o ano, está muito latente em nossa sociedade o que chamamos de doenças da alma, que são porta de entrada para o suicídio. No nosso espaço, a gente disponibiliza o profissional ideal para esse tipo de cuidado. Então, se a pessoa sente que algo está diferente, se ela se isola e se sente triste com frequência, nós recomendamos a procura de ajuda. E é pra isso que nós estamos aqui”, concluiu Lenimar.

 

 

error: Conteúdo Protegido!!